30 dezembro, 2008

Renascimento

A chuva cai lá fora
persistente
molha a vida
insistente
rega a flor
prontamente
brota
faz renascer
Me alinho no tempo
aprumo no espaço
olho vidas
sinto
meço
ouço
toco
experimento
morro
Mas a chuva ainda cai lá fora
persistente
molha a vida
insistente
rega
prontamente
brota
me faz renascer

rain






Um comentário:

Ana Bernasconi disse...

linda poesia, Miguel. Sempre q leio os teus escritos sinto uma sintonia com meu momentoe de alguma forma acaba me tocando muito. Coincidências talvez, se eu acreditasse nelas.
beijos e um ótimo ano prá vc...