09 outubro, 2008

Lembranças Medievais


Tome-mos essa como uma estória, mas saibam é uma história. Porém pelo conteúdo mágico e antigo, nem mesmo eu quando acabo de escrever daria tanta fé ao conteúdo não fosse tudo o que sei e sinto. Aqui apenas compartilharei com amigos de convívio ou amigos estranhos, que saibam ler com o coração, só dessa forma haverá o completo entendimento destas palavras.


Por quantos dias meus sonhos foram coroados não somente pelos anelos de glória que eu guardava em segredo, mas também pelas memórias e pelos dias inimagináveis e eternos que ainda vivem em minha alma como o fogo santo e sublime de minha essência, a qual anseia com tenacidade e determinação ver cumprida a vontade do Pai na vida de um homem, de um poeta ou do ser que ousa chamar-se de cavaleiro; um cavaleiro sem armadura, um poeta sem a musa que inspire suas palavras para fazer com que seus mais íntimos desejos e pensamentos crepitem e libertem-se da prisão glacial que existe no coração deste obstinado homem.



Do poeta que ousa desafiar a si mesmo e a majestade das constelações douradas com todas as forças que existem em seu espírito, fazendo com que os reinos celestes se alegrem ao ver passar intenso e poderoso aquele que outrora fora um menino triste e solitário. O cavaleiro que, após “perder” àquela a quem entregou o seu coração, vida e amor, viveu dias obscuros e misteriosos ante uma humanidade que sobrevive para sentir apenas o ódio que emana das feridas abertas pelos seus ancestrais.



Quantos dias passaram ante meus olhos aos quais deixei de contemplar e sentir o poder magnânimo e supremo dos reinos celestes em meu coração, conduzindo-me para um caminho que me faria reviver antigos e ainda ocultos sentimentos, os quais lutavam com a mortalidade de minha carne para que pudessem reavivar a chama de um cosmo, que no seu ato de glória e amor mais supremo anjos e arcanjos celestes assistiam assombrados e impressionados o sacrifício feito por este homem que, ao dar sua segunda imortalidade, colocava o nome no livro da vida com letras indeléveis e marcadas pelo fogo do amor e esperança... Mesmo rejeitando desejos de paz e descanso, eternidade e majestade que ofereceram-me, este cavaleiro manteve sua honra e princípios acima da agonia e da dor que emanava de seu coração.


Os dias passaram, renasço neste mundo em busca daquela que sempre será o meu eterno e incomensurável amor.

Por que temo cair sem ter dado o melhor de minha alma?


Ah... As constantes lutas contra a embriaguez do sono, fazendo com que meus membros lassos emanassem dor e desejassem fechar meus olhos para restituir as forças de meu corpo, a minha alma enérgica fazia com que as palavras fluíssem pelo meu ser e por minha mente, fazendo com que textos intensos e surpreendentes em significado, esperança e amor ecoassem não apenas pela voz que, em meio às lágrimas de saudade e esperança, sentia um imenso e majestoso prazer as leituras constantes. Não somente olhos curiosos, mas também o coração que ansiava pela continuação da história enigmática e suprema de um cavaleiro, de um homem, de um anjo, de um poeta que revelou-se ao mundo e a si mesmo...




Como a imensa galáxia de esperança e palavras que existem na alma e coração , eu criei um novo livro, onde colocarei apenas citações de minha eterna e incomensurável história, para que amigos eternos, companheiros nas noites estreladas ou coroadas pela chuva ou pelo frio, possam absorver ou até identificar-se com esta saga de amor e vida.






Não selarei meu destino, tenham certeza. Jamais fugirei dele e jamais renegarei o dom que me foi dado quando fui lançado a este mundo.Neste intento, eis os capítulos da minha história, para que os que não sabem possam contemplar a essência de minhas inspirações.


Um comentário:

A dama do castelo em França disse...

"Alma gemea da minha alma
se eu te perder, algum dia,
serei a escura agonia
da saudade em tua força
se um dia me abandonares
luz terna dos meus amores,
hei de esperar-te, entre as flores
da claridade dos céus."